About

Olá, o meu nome é Raquel. Actualmente sou estudante do Mestrado de Comunicação e Multimédia na Universidade de Aveiro, com o desejo de acordar em Junho e VOILÁ…estudos terminados. Mas estou a desejar o impossível, o melhor mesmo é parar por aqui. E como a minha partner in crime diz: o importante é (mesmo) viver a vida.  Foi deste impossível que surgiu as gaiatas, dos momentos das lamentações, das horas intermináveis dentro do comboio e até mesmo, das conversas baixinhas no meio da sala, enquanto o professor falava da importância de ler, ler e lergaiatas cresceu da necessidade de partilhar com o mundo sobre tudo aquilo que me inspira. As viagens de última hora. O que mais gosto de comer, siiiim…a comida é outra paixão; os almoços diferentes feitos para a mãe, os bolos mais doces ou nada doces às panquecas de aveia para o pequeno-almoço (as minhas favoritas). Não sou perfecionista mas como com os olhos, assim espero que aqui, também o façam. A fotografia é outra paixão (recente)… congelar momentos é uma coisa nova que aprendi e na qual pretendo partilhar convosco. E quem sabe, um dia, possas fazer parte disso.

Não vou falar mais de mim. Agora vai falar a outra metade da aventura: a Inês

about_pic_gaiata

Existem fotos que nos marcam e outras que nos fazem ir buscar memórias que tinhamos guardado nas prateleiras do nosso cérebro. Esta foto lembra-me quando era criança e como adorava andar de baloiço. O meu objetivo sempre foi chegar ao céu, lembro -me de ir para o baloiço da minha vizinha, que era dos maiores que já tinha andado, e por isso tinha esperança de conseguir chegar ao céu. Recordo-me de estar a andar de baloiço e a cantar bem alto “estou na lua, não me chateies que eu agora estou na lua, e em breve vou chegar ao céu”. Incrível, que a minha persistência para chegar ao céu nunca foi suficiente, mesmo quando achava que o baloiço ia dar a volta devido ao lanço que dava. Estas férias, por acaso, sentei-me no baloiço da foto, e lembrei-me do que vos estou a contar, e percebi que por mais que a minha personalidade tenha mudado, a minha vontade de chegar ao céu nunca desapareceu, simplesmente substitui a palavra céu, por sonhos. Viram? ou melhor leram ? Bem vos disse que a Inês é a mais poética.

Cá estaremos para vos contar mais aventuras e partilhar outras coisas mais que neste momento não vos podemos revelar. Assim ficam a saber: 

 

as gaiatas sou eu, ela e todos vocês.